Sites Grátis no Comunidades.net
BENEFÍCIOS DA BABOSA E SUAS PROPRIEDADES
BENEFÍCIOS DA BABOSA E SUAS PROPRIEDADES

 Propriedades da babosa:
 Aloe vera
1- INIBIDORA DA DOR:

Seus princípios ativos têm uma notável capacidade de penetração até os planos mais profundos da pele, inibindo e bloqueando as fibras nervosas periféricas (receptores da dor) interrompendo o modo reversível a condução dos impulsos. Além disso, reduz a dor por possuir uma poderosa força antiinflamatória.

2- ANTIINFLAMATÓRIA:

Tem uma ação similar a dos esteróides, como a Cortisona, mas sem seus efeitos nocivos colaterais. Por isso é útil em problemas como bursites, artrites, lesões, golpes, mordidas de insetos, etc.

3- COAGULANTE: Por conter cálcio, potássio e celulose, Aloe vera provoca nas lesões a formação de uma rede de fibras que seguram as plaquetas do sangue, ajudando na coagulação e cicatrização. O cálcio é parte do sistema nervoso, o potássio da atividade muscular e a celulose da coagulação.

4- QUERATOLÍTICO: Faz com que a pele danificada dê lugar a um tecido de células novas.

5- ANTIBIÓTICA: Sua capacidade bateriostática, bactericida e funguitástica (antiviral), elimina bactérias (inclusive Salmonela e Estafilococos) que causam infecções, inibindo sua ação daninha.

6- REGENERADOR CELULAR: Possui um hormônio que acelera a formação e o crescimento de células novas. Graças ao cálcio que contém, elemento vital na osmose celular (intercâmbio de líquidos), ajuda às células a manter seu frágil equilíbrio interno e externo.

7- ENERGÉTICO E NUTRITIVO: Uma das características de maior importância da Aloe vera é que contém 19 aminoácidos essenciais, necessários para a formação e estruturação das proteínas, que são a base das células e tecidos, e também minerais como o cálcio, fósforo, cobre, ferro, manganês, magnésio, potássio e sódio, todos elementos indispensáveis para o metabolismo e atividade celular. Contém também vitamina A (excelente para a visão, cabelo e pele); vitamina B1, B5, B6 e B 12 (para o sistema nervoso central e periférico) e vitamina C (responsável pelo fortalecimento do sistema imunológico e pela tonicidade dos capilares do sistema cardiovascular e circulatório.

8-DIGESTIVO:Contém grandes quantidades de enzimas necessárias para o processamento e aproveitamento dos  carboidratos, gorduras e proteínas no organismo.

9- DESINTOXICANTE:Contém ácido urónico, elemento que facilita a eliminação de toxinas a nível celular, e a nível geral estimula a função hepática e renal, primordiais na desintoxicação do nosso organismo.

10- REIDRATANTE E CICATRIZANTE:

Penetra profundamente nas três camadas da pele(derme, epiderme e hipoderme), graças à  presença de Ligninas e Polissacarídeos restitui os líquidos perdidos, tanto naturalmente como por deficiências de equilíbrio ou danos externos, reparando os tecidos de dentro para fora nas queimaduras (fogo ou sol), fissuras, cortes,ralados, esfolados, perda de tecido,etc.Os muitos benefícios dos princípios ativos da Aloe vera, tanto são para uso tópico(externo) na pele, como para uso em tecidos, membrana e mucosas (interno).

O SEGREDO DE ACEMANNAN: O suco Aloe vera (Babosa) contém alto teor de uma sustância denominada Acemannan. Esta sustância é também produzida pelo nosso corpo até a puberdade. Após esta fase precisa ser absorvida pela alimentação. A sua presença aumenta a resistência imunológica do organismo contra parasitas, vírus e bactérias.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

[1] HABIG, W.H.; PABST, M.J.; JAKOBY, W.B. Glutathione s-Transferases. The first enzymatic in mercapturic acid formation. The J. of Biol. Chemistry, v.249, n. 22, p. 7130-7139, 1974.

[2] HUANG, M-T; FERRARO, T.; HO, C-T. Cancer chemoprevention by phytochemicals in fruits and vegetables. tumorigenesis In:HUANG, M-T, OSAWA, T, HO, C-T, RANSEN RT,(Eds). Food Phytochemicals for Cancer Prevention l Fruits and vegetables. Washington, DC: ACS Symposium Series, 1994. p. 217.

[3] INSTITUTO ADOLFO LUTZ. 1985. Normas Analíticas. 3ª. edição. São Paulo.

[4] LAM, L. K. T.; SPARNINS, V.L.; WATTENBERG, L. W. Isolation and identification of kahweol palmitate and cafestol palmitate as active constituents of green coffee beans that enhance glutathione s-transferase activity in the mouse. Cancer Res. v. 42, p. 1193-1198, 1982.
        [ Medline ]

[5] LAM, L. K. T.; ZHANG, J.; ZHANG, F.; ZHANG, B. Inhibition of chemically induced carcinogenesis by 2-n-heptylfuran and 2-n-butylthiophene from roast beef aroma In: Mussinan, C. J.; KEELAN, M. E, (Eds). Sulfur Compounds in Food. Washington, DC: ACS Symposium Series ,1994. p. 278-291.

[6] LAM, L.K.T.; LI, Y.; HASEGAWA, S. Effects of citrus limonoids on glutathione S-transferase activity in mice. J. Agric. Food Chem. , v. 37, p. 878-880, 1989.

[7] LEE, J. M. Biochemical Engineering. New Jersey: Prentice Hall, 1992.

[8] NAQUI, A ; CHANCE, B. A. Semi-intregrated method for the determination of enzyme kinect parameters and graphical representation of the Michaelis-Menten equation. Anal. Bioch., v. 141, p. 179-183, 1984.

[9] NELSON, D. L; COX, M. M. Lehninger: Principles of Biochemistry. 3ª. edição. New York: Worth Publishers, 2000.

[10] RADIKA, K; NORTHROP, D. A. New kinetic diagnostic for enzymatic mechanisms using alternative substrates. Anal. Bioch. v.141, p.413-417, 1984.

[11] SIPES, G. E GANDOLFI, J. Biotransformation of toxificants In: AMDUR, M. O.;DOULL, J.; KLAASSEN, C. D. (Eds). Cassarett and Doll's Toxicology: The basic science of Poisons. 4ª. edição. New york: McGRAW-HILL, INC., 1991. p.88-126.

[12] VAN DER AAR, E. M.; BOUWMAN, T.; COMMANDEUR, N. M.; VERMEULEN, N. P. E. Structure-activity relationships for chemical and glutathione s-transferase-catalysed glutathione conjugation reactions of a series of 2-substituded 1-chloro-4-nitrobenzenes. Biochem. J. v. 320, p. 531-540, 1996.

[13] WATTENBERG, L.M. Inhibition of neoplasia by minor dietary constituents. Cancer Res v. 43 (may), p. 2448s-2453s (Suppl.), 1983

[14] WHEATLEY, J. B.; KELLEY, M. K.; MONTALI, J. A.; BERRY, C. O. A.; SCHMIDT, Jr., D. E. Examination of glutathione S-transferase isoenzyme profiles in human liver using high-performance affinity chromatography. J. Chromat. A v. 663, p. 53-63, 1994.

[15] WHITAKER, Jr. Principles of Enzymology for the Food science, 2ª. edição. New York: Marcel Dekker, INC, 1994.

[16] WILLIAMSON, G.; DUPONT, M. S.; WANIAGATUNGA, S.; HEANEY, R. K., MUSK, S.R.R.; FENWICK, G.R.; RHODES, M.J.C. Induction of glutathione S-transferase activity in HepG2 cells by extracts from fruits and vegetables. Food Chem. v. 60, n. 2, p. 157-160, 1997.

[17] YOUNG, P. R; BRIEDIS, A. N. Purification and kinetic mechanism of the major glutathione S-transferase from bovine brain. Biochem. J. v. 257, p. 541-548, 1989
        [ Medline ]


Desenvolvido por:

Dr.Edson Credidio - Médico Nutrólogo, Título de Especialista em “Gestão da Qualidade e Segurança dos Alimentos” pela Unicamp , Coordenador do Sistema Nutrosoft , Coordenador do Selo ABRAN , Diretor da ABRAN, Professor da Pós Graduação de Dietoterapia, Alimentos Funcionais e Doenças Transmitidas por Alimentos da ABRAN, Membro da International Colleges for the Advancemente of Nutrition-USA,Membro da American Colleges of Nutrition-ACN-USA, Membro do Comitê Cientifico da Sociedade Brasileira de Alimentos Funcionais-SBAF e Membro Titular da Academia Latino –Americana de Nutrologia.